Em um estudo feito por cientistas australianos, os bichos foram submetidos a duas situações: encarar um rival da mesma espécie e ficar diante de um predador. O que foi notado é que as mudanças de coloração mais radicais ocorrem quando os camaleões se enfrentam, e não quando se sentem ameaçados. Ao disputar espaço com outro camaleão, os exemplares usados no teste assumiram cores berrantes – aparentemente para intimidar o inimigo. A camuflagem, segundo os cientistas, seria uma função secundária e eventual.