Sinceramente, não tem como não assistir e, depois de um tempo, assistir outra vez e perceber momentos diferentes a cada vez. Como não ser encantado pelas vidas cruzadas? Como não ser enfeitiçado pelas dores da vida? Pelo encantamento com a vida? Com a eterna esperança de algo melhor? Com a merda do dia a dia? Com a injustiça do mundo? Com a solidão das pessoas, mesmo quando no meio de tanta gente? Como não se apaixonar por Crash?