A Izabela explodiu ao constatar a mediocridade instalada e tenho por obrigação que ampliar a visibilidade do que escreveu no seu Facebook. Ao ler, em voz alta e colocando as devidas ênfases, engasguei em alguns momentos. É fundamental que as pessoas saibam da importância das coisas em nosso universo. Abaixo, o texto completo que está no Facebook.

Minha HOMENAGEM AO DIA DAS MÃES vem sob a forma de PROTESTO ao lamentável veículo jornalístico chamado KAZUKA. Superando toda a arrogância, futilidade e afetação até então já manifestadas, na última sexta-feira o referido jornaleco resolve se pronunciar sobre como “é meio desconfortável” a presença das mães no Facebook. Uma grande demonstração de egocentrismo em expressões como: “Esta é a nova realidade da web: pais e mães no Facebook, vendo as nossas fotos na balada e os comentários…”;”ATÉ É BACANA para eles entenderem porque nós somos tão viciados nisso…”; “…se eles (os pais) FAZEM VOCÊ PAGAR MUITO MICO, nós ajudamos você a preservar sua privacidade” e “Antes de DEIXAR SEUS PAIS SE CADASTRAREM no Facebook, peça para eles lerem estas dicas…”. É o cúmulo da pretensão!!!! O caderneco expõe ainda com muito orgulho o relato de um filho que diz que a mãe colocava no mural dele frases como “amo meus filhos” e ele “achava meio mico”, então deletou a mãe!! Parabéns, adolescente tapado, pelo seu discernimento! Seria bem mais legal ter uma mãe que te espancasse, te fizesse beber gasolina ou te obrigasse a ir para a rua pedir esmolas, não? O Brasil está cheio disto. Então pelo menos reconheça o privilégio de ter nascido entre pessoas que te amam e pare de falar asneiras!
Pensei muitas vezes antes de escrever este manifesto. Por fim, me sinto à vontade para escrevê-lo porque optei por não ter filhos, o que torna este posicionamento mais imparcial. Gostaria de sair em defesa de todas as pessoas que optaram por abrir mão de inúmeras coisas em suas vidas (materiais, cronológicas, profissionais, emocionais etc) para ter filhos, e não merecem este tipo de manifestação tapada, tacanha e mesquinha por parte de representantes da geração de seus filhos. Muitos filhos não gostam de características de seus pais, assim como os pais – tenham certeza – também não gostam de inúmeras características de seus filhos. Mas resolvem isto em ambiente familiar, educando, cuidando, dirigindo, e sobretudo porque amam seus filhos. Não se resolvem diferenças familiares defecando publicamente uma matéria como esta lamentável do Kazuka.
Tenho certeza de que a maioria dos amigos e contatos que tenho aqui no Facebook tem filhos amorosos e respeitosos de todas as idades. Vi muitas manifestações disto hoje, aqui no feed do Facebook. Isto é mais uma razão para deslegitimar a matéria arrogante do Kazuka, pois realmente não representa o que filhos inteligentes diriam publicamente se tivessem à disposição um veículo como este jornal. O que mais me espanta neste jornaleco é que não haja uma supervisão, alguém lúcido que leia as matérias antes de permitir que um excremento deste tipo seja jogado à comunidade leitora. O caderneco vem emaranhado entre os outros cadernos, e num certo momento as lamentáveis matérias são atiradas diante dos olhos do leitor. É inevitável ser agredido.
Algumas últimas considerações aos eventuais filhos “que acham um mico ter pais no Facebook”:
1) Você não é o dono do mundo, nem do Facebook, e também não foi o primeiro a descobri-lo. Aliás, antes da geração Y e Z descobrir o Facebook ele já tinha, sabidamente, um perfil mais maduro que outras redes sociais. Há lugar para todos, desde que com respeito.
2) SEUS PAIS JÁ PAGARAM MUITO MICO POR VOCÊ, faltando ao trabalho quando você estava doente, deixando de fazer aquele pós-graduação porque você ia nascer, ficando cheios de dívidas porque você queria aquela viagem, incomodando todo mundo naquela festa porque você não parava de chorar, aguentando seu fedor quando você virou adolescente e não se deu conta, se segurando no meio do shopping enquanto você berrava, para não te dar um tapão. Enxergue-se. O conceito de “mico” já existia antes de você nascer e provavelmente, você é um MICÃO.
3) Assim como colocar fotos da balada faz parte da SUA história de vida, colocar fotos suas quando era criança faz parte da HISTÓRIA DE VIDA DA SUA MÃE. Respeite e cale-se. Se ela não tivesse feito esta opção você não estaria aqui.
4) Agradeça por ser cuidado, por ter limites, por ser amado. Caso isto não acontecesse, você não “pagaria este mico”, mas possivelmente seria um delinquente, já estaria preso ou morto.
5) Agradeça por ter um computador para acessar o Facebook, agradeça por ter dinheiro para ir à balada, agradeça por frequentar seu colégio, onde conseguiu tantos “amigos”. Tudo isto representou abdicação de seus pais. Coisas que eles poderiam ter adquirido para eles mesmos, mas não pensaram duas vezes em abrir mão de tudo para te oferecer o melhor.
6) Viva sua vida como tiver competência para viver, e saiba que o mundo não está nem aí para seu constrangimento frente aos seus pais. Cresça e pague suas contas.

KAZUKA, infelicíssima matéria. Meus pêsames pelo desserviço que tem sido à sua comunidade. Se você não tem nada mais útil a dizer do que mostrar o tênis que estão usando no recreio do colégio X…por favor, EXPLODA!!!

Izabela Lucchese Gavioli