Precisa ter uma idéia brilhante?
Então tente relaxar e assistir a uma comédia na televisão. Pesquisas recentes mostram que quando estamos de bem com a vida temos mais chances de ter pensamentos criativos. Após alguns experimentos, a neurocientista Karuna Subramaniam, na época na Universidade Northwestern, nos Estados Unidos, descobriu que melhorar o humor de voluntários aumentava a probabilidade de terem momentos de inspiração repentina. Ela percebeu isso na prática, ao propor aos participantes de uma pesquisa uma atividade lúdica na qual tinham a tarefa de encontrar uma palavra que se relacionasse com outras três, aparentemente dissociadas – uma variação de um teste usado com frequência por psicólogos para avaliar o grau de criatividade. Os que assistiram a comédias se saíram significativamente melhor em comparação aos que assistiram a filmes de terror.
Antes de um insight, há aumento de atividade do córtex cingulado anterior (ACC, na sigla em inglês), área cerebral envolvida na regulação da atenção. Quando é preciso solucionar problemas, essa região parece funcionar em conjunto com outras, para manter a concentração em determinada estratégia ou se desviar para outra. Por meio de imagens de ressonância, Karuna descobriu que, em pessoas com bom humor, a atividade do ACC é mais requisitada, o que provavelmente ajuda o cérebro a encontrar novas soluções. Já quem assistiu a filmes de terror apresentou menos atividade no córtex cingulado e pouca criatividade na montagem de quebra-cabeça.