Na Serra Gaúcha tem feito tempo frio intenso. O texto serve para ilustrar o que acontece com o corpo no frio. Pegue uma xícara de chá, dois biscoitos coloniais e boa leitura.
O organismo humano mantém a temperatura do seu corpo regulada em aproximadamente 36,1ºC (homeotérmico). Quando a temperatura externa cai, o organismo começa a perder calor e aciona os horripiladores que são pequenos músculos localizados na raiz dos pelos do corpo – são conhecidos como arrepios, que produzem tremores para gerar calor a partir da queima de carboidratos, gorduras e calorias. Os horripiladores também funcionam como isolantes térmicos não permitindo que o ar frio ultrapasse a pele e atinja o organismo.
Abaixo, algumas alterações no funcionamento do metabolismo que também ocorrem para que não haja perda de calor.
• A pele passa a receber menor quantidade de sangue nos seus vasos mais externos a fim de concentrar maior quantidade de sangue no interior do organismo e assim produzir mais calor.
• A respiração é afetada – suas reações químicas perdem força e ficam mais lentas levando menos oxigenação para os músculos o que os leva a usarem o glicogênio neles armazenados. O glicogênio ao ser utilizado produz ácido láctico e este somente é eliminado em determinadas quantidades que ultrapassadas causam respiração ofegante e cansaço.
• O aparelho urinário passa a trabalhar mais – como no frio não se elimina líquido pelo suor, ele passa a ser eliminado pela urina.
• Os vasos sanguíneos localizados no couro cabeludo se contraem mais do que os vasos internos e essa contração diminui a passagem do sangue nesses vasos, causando dores de cabeça.
• O apetite aumenta, pois o organismo necessita de gordura, carboidratos e calorias para gerar energia.
• O coração sofre queda na frequência cardíaca e aumento da pressão sanguínea.
Terminou o chá? Pegue mais uma xícara e agasalhe-se.