A conversa é sobre a visão filosófica do homem do século XXI, vinho branco, peixe grelhado e aspargos frescos. Risos e toques sutis.

A camisa branca, de seda, marca os seios. Uma verdadeira armadilha para os olhos de Cláudio, que escorregam dos olhos de Danuza, a todo o instante, mostrando o poder que ela tem sobre ele. Cláudio não consegue pensar em outra coisa que não seja estar no meio deles.

No estacionamento, Cláudio gruda o corpo de Danuza na porta do carro. Tudo fica em silêncio. Um silêncio brutal. E, então, Cláudio ouve o roçar dos seus dedos no tecido da camisa. O barulho ensurdecedor dos botões sendo abertos. A vibração dos seios soltos no ar. Danuza, sorrindo, quase não escuta o gemido, quando enfia a faca na barriga dele.