Os consumidores brasileiros pretendem comprar mais tênis de marcas nos próximos 12 meses, mas esperam uma queda no consumo de carne no mesmo período, segundo indica uma pesquisa encomendada pelo banco Credit Suisse.

A pesquisa, que ouviu 13 mil pessoas, analisou o comportamento dos consumidores em sete economias emergentes – Brasil, China, Índia, Rússia, Egito, Indonésia e Arábia Saudita -, com uma população total de 3,2 bilhões de pessoas.

Segundo o levantamento, 74% dos brasileiros com renda superior a US$ 2 mil por mês (cerca de R$ 3.350) pretendem comprar tênis de marca nos próximos 12 meses.

Entre os egípcios da mesma faixa de renda, 67% esperam comprar tênis de marca no próximo ano, enquanto os indianos são os que menos preveem a compra desse tipo de produto – 24%.

Para o mesmo período, a diferença entre os brasileiros com renda superior a US$ 2 mil mensais que esperam uma queda no consumo de carne e os que esperam um aumento é de 6 pontos percentuais.

Entre os indianos da mesma faixa de renda essa diferença também é de 6 pontos, mas na faixa de renda entre US$ 1 mil e US$ 2 mil há uma diferença negativa de 3 pontos percentuais entre os brasileiros e de 10 pontos positivos entre os indianos.

Laticínios e refrigerantes
O levantamento também indicou que, entre os brasileiros com renda superior a US$ 2 mil por mês, 27% esperam consumir mais laticínios, 21% preveem comprar mais refrigerantes e 18% acham que vão beber mais água mineral.

Na mesma faixa salarial, 22% dos brasileiros disseram pretender comprar um imóvel no período e 34% pretendem comprar um carro.

Os brasileiros estão entre os que menos planejam viajar ao exterior nos próximos 12 meses (3% com renda superior a US$ 2 mil disseram ter planos de viajar), atrás somente de indianos (1%) e egípcios (0%).

A proporção de brasileiros nessa faixa de renda que pretende viajar ao exterior é um terço da dos chineses (9%) e bem abaixo de russos (26%), sauditas (18%) e indonésios (13%).

Otimismo
A pesquisa do Credit Suisse também comparou gastos nos sete países com educação e saúde. Os brasileiros são os que mais gastam com saúde (9,8% da renda) e só gastam menos em educação (4,6%) do que os russos (3,1%).

Os consumidores brasileiros foram ainda os que mais se disseram otimistas com o estado das finanças pessoais nos próximos seis meses, com 63% esperando uma melhora, bem acima dos chineses (45%), indianos (43%) e sauditas (35%).

No Egito, apenas 12% disseram esperar uma melhora nos próximos seis meses.

O otimismo dos brasileiros com o futuro é maior entre os consumidores da faixa mais baixa de renda (menos de US$ 400 mensais), na qual supera os 80%, e entre os que ganham mais de US$ 9 mil mensais, com 75% esperando uma melhora nos próximos seis meses.

Fonte: UOL