Quem acompanha os noticiários do mundo, sabe que semana passa a Argentina perdeu um dos seus principais líderes, o ex-presidente Néstor Kirchner, aos 60 anos. Néstor presidiu o país de 2003 a 2007, sendo o responsável pela recuperação da Argentina após a forte crise que abalou o país.

A morte de Kirchner foi recebida pelos argentinos com absoluta surpresa, uma vez que o ex-presidente teve uma morte súbita. Assim que houve a notícia oficial de sua morte, centenas de argentinos foram pra frente da Casa Rosada iniciar suas manifestações de luto e de apoio à atual presidenta da Argentina e também a esposa de Néstor, Cristina Fernández de Kirchner.

O velório de Kirchner durou quase dois dias e milhares de argentinos esperaram até 8 horas na fila para prestar suas últimas homenagens. Cristina, que esteve presente no velório durante quase todo o tempo, por diversas vezes se aproximou da multidão, recebendo abraços, palavras de conforto e presentes como terços, camisetas, bilhetes e cartazes, que ela fazia questão de depositar em cima do caixão do ex-presidente.

Os noticiários argentinos disseram que o cortejo fúnebre de Kirchner só perdeu em magnitude e comoção para a morte de Eva Perón, a famosa ex-primeira dama argentina, cujo velório durou duas semanas.

Quase uma semana depois da morte de Néstor, Cristina falou em cadeia nacional . No pronunciamento, ela agradece “à imensa e formidável mostra de carinho” que recebeu após a morte de seu marido e antecessor. “Uma parte de mim se foi com Néstor Kirchner”, disse Cristina, em um pronunciamento rápido, mas emocionado, chegando próximo às lágrimas, gravado na Casa Rosada. “Quero agradecer especialmente aos milhares de jovens que cantaram com dor e marcharam com alegria por ele e pela pátria. Quero dizer-lhes que neles eu vi a cara dele (de Kirchner) quando o conheci”, disse.

“Eu li e ouvi pessoas dizerem que este é o momento mais difícil da minha vida. Mas realmente é algo diferente disso. É o momento mais doloroso da minha vida, pois dificuldade é outra coisa”, disse ela, vestindo preto e quase chorando, no final do pronunciamento e prometendo honrar o governo do seu marido e honrar o país.

Cabe aqui postar esse discurso como um exemplo de um país extremamente politizado e que se une frente a toda e qualquer dificuldade, seja contra e/ou a favor do governo. Confira: